Novas entrevistas da Alex para os sites Dork Shelf e Film Review Online


O site Dork Shelf publicou uma nova entrevista enorme com a Alex, sobre Texas Chainsaw 3D e The Sea of Monsters. Na entrevista, Alex deixou escapar uma novidade muito interessante: ela estará em regravações de The Sea of Monsters! Isso significa que ela voltará ao set ou ao estúdio, e nós não sabemos se ela pintará o cabelo de loiro novamente ou não. Aguardamos por mais novidades!
O site Film Review Online também postou uma entrevista com a Alex, mais curta, sobre Texas Chainsaw 3D.
Confiram as traduções:

DORK SHELF
É um papel super físico que você tem que fazer no filme, e deve ser um desafio manter a energia necessária para continuar correndo o dia inteiro e fazer aquelas sequências de ação - já que não é um filme onde você necessariamente precisa agir assustada. O que você fez para entrar na mentalidade de uma personagem como essa? Eu já tinha feito Percy Jackson e também foi bem físico, e eu acho que você consegue aquele nível de adrenalina que você tem quando precisa continuar. Foi quase no segundo em que eu terminei de gravar o filme que eu fiquei doente. Seu corpo meio que vai para um modo de sobrevivência a certo ponto, e a adrenalina está correndo e você tem que fazer as coisas mais e mais vezes, e eu acho que isso é só questão de saber no que você está entrando. Eu tive certeza de que estava no melhor estado físico possível antes de ir para lá, e foi uma cena atrás da outra, o que nós tivemos que fazer porque não foi uma filmagem longa. Nós só ficamos lá por um mês e meio, enquanto as gravações de Percy Jackson foram extremamente longas, então foi mais difícil manter o clima do momento por tanto tempo. Manter esse clima por três ou quatro meses é muito mais difícil do que por um mês e meio. Mas é uma coisa de adrenalina, realmente, e eu sou apaixonada pelo que faço e empolgada, e de algum jeito meu corpo consegue aguentar, acredito eu. (risos)
Também tem que ser o tipo de set onde a tensão na tela e a tensão no set talvez tenha que ser a mesma, para manter o elenco na tarefa. Houve algo que foi realmente assustador enquanto você estava no set e você se aproveitou disso? Eu acho que pode ser assustador, mas eu tirei muito mais de outras pessoas e dos meus colegas de elenco. Por exemplo, há uma cena onde Tania Raymonde - que é uma maravilhosa atriz e pessoa - e eu estávamos em um espaço apertado e nós tivemos que entrar em pânico e surtar e atuar como se estivéssemos sendo perseguidas por Leatherface com uma serra elétrica, e nós estávamos gritando e chorando e você tem que alimentar o pânico do outro, e você começa a ficar apavorado e se preocupar com a outra pessoa. É tudo muito instintivo de um modo estranho, e isso leva a cenas melhores e mais assustadoras. Esse cena é bem assustadora e eu lembro de assisti-la e lembrar do quão aterrorizada eu estava enquanto gravei, e isso ajudou na cena.
É realmente interessante que, nas minhas cenas com Dan Yeager, que interpreta Leatherface, algumas delas mostraram a intensidade dele e como isso ajudou na minha performance também, porque eu ficaria assustada de verdade pelo que ele estava fazendo. Foi tudo sobre a intensidade de todos em torno de nós.
Houve alguma pegadinha para cortar a tensão, ou algum susto real? Nenhuma pegadinha, mas quando nós estávamos gravando... Sabe quando você está gravando uma cena, você sabe onde a câmera foca em uma pessoa enquanto outra lê as falas atrás da câmera? Eu estava fazendo isso e Trey Songz, que interpreta meu namorado, estava lendo para mim atrás da câmera, e eu não sabia como reagir. Ele estava fazendo caretas e tentando me fazer rir, e foi engraçado de verdade, e legal de descontrair um pouco, porque foi um dia muito sério e quente. Foi legal rir um pouco. Isso foi uma coisa ótima, porque tantos membros do elenco eram tão tranquilos e gentis e generosos, mas também tão sérios quando necessário, que isso tornou a experiência muito melhor. 
Dan Yeager se distanciou um pouco do elenco, como vários vilões de terror fazem, para manter o ar de mistério e suspense mas cenas com atores, mas em certas cenas você tem que ter um vínculo quase familiar com ele. Como é ir de ser perseguida por alguém até ter que se identificar com esse mesmo alguém de algum jeito? É definitivamente interessante. Eu tive uma experiência parecida em outro filme de terror, onde o cara que interpretou o vilão estava realmente tentando agir como um assassino agiria. Ele não falava com a gente e eu não tinha relação alguma com ele, e isso foi completamente de propósito.
Conforme a filmagem corria, eu comecei a falar mais com Dan, mas mesmo assim eu não consegui conhecê-lo direito. Eu não sabia como ele era, e acho que nós nunca tivemos uma boa e longa conversa. É, isso ajuda a te deixar mais apavorada se é alguém com quem você não brinca e tem piadas internas ou qualquer tipo de relacionamento. Torna mais fácil ficar aterrorizado e trabalhar com ele. 
Vendo que isso é uma sequência direta ao filme original, que meio que joga fora tudo que veio depois disso, houve mais pressão para vocês se manterem ao espírito do filme mais marcante da franquia? Eu estava definitivamente nervosa e animada para fazer o filme, porque eu estava entrando em algo que é bem marcante. Eu não tinha visto nenhum dos filmes Texas Chainsaw até conseguir o papel nesse filme, mas mesmo assim eu sabia claramente o que era e o grande negócio que era. Quando você ouve o título, todo mundo sabe o que é, tendo visto o filme ou não, e isso é uma forma de pressão.
Para pessoas que são fãs do filme original, há várias ligações a ele, e temos Marilyn Burns, Gunnar Hansen e Bill Moseley fazendo curtas aparições, e foi uma honra para nós vê-los dizendo que queriam fazer parte desse filme, e isso é algo único. É um filme divertido e assustador, e isso é algo que você sempre tenta atingir, não importa onde comece. Eu acho que as pessoas vão gostar de verdade do filme. 
Você gostaria de ter um papel mais sinistro em um filme como esse, e ser a assassina ao invés de heroína? (Risos) Sim, definitivamente! Eu acho que é legal e uma das coisas que você vê nesse filme é que eu fiz uma personagem sombria no fim das coitas. É uma pessoa que é parente de um dos mais marcantes personagens de terror da história, e é uma coisa louca de pensar e você tem que lidar com isso. É uma coisa legal explorar esse lado de si mesma e eu definitivamente não me oponho a isso. 
Se você não tivesse que usar uma serra elétrica como arma, o que você usaria? (Risos) Mas há tantas armas para escolher! Eu provavelmente diria algo como um facão, porque eu já trabalhei com espadas antes e eu me senti tão poderosa e durona, e totalmente não eu. Algo como isso, mas há algo legal em interpretar esse tipo de personagem valentão, com esse tipo de poder. É diferente da vida real e realmente empolgante para mim. 
E você acabou de terminar o trabalho em outra franquia com a sequência de Percy Jackson recentemente, certo? Sim! Esse vai sair em Agosto, e eu irei fazer algumas regravações em breve, mas estou muito animada quanto a isso porque eu ouvi coisas ótimas sobre como está ficando. Foi incrível fazer isso e havia pessoas ótimas envolvidas. 
Agora que você tem nas mãos duas franquias com um certo nível de reconhecimento, como está sendo lidar com os fãs dessas séries? Uma coisa com as audiências de Percy Jackson é que eles são novos e é um filme familiar, o que é ótimo porque muitos deles são fãs dos livros e eles são tão inspirados por você e pelos filmes e os personagens, então você não tem que fazer muito para impressioná-los se você se manter fiel ao que eles sabem e amam sobre os livros. Poder estar na posição de inspirar crianças é super legal. Eu lembro que a maioria das reclamações quanto ao filme foi que meu cabelo não era da cor do cabelo da personagem, mas nesse filme eu estou loira, enquanto no primeiro eu era morena, para parecer mais com a personagem. Eu gostei disso, na verdade, e que eles podem sentir o quão fortes são os personagens do modo que eles os imaginaram. A dificuldade de se adaptar um livro para um filme, eles são estruturalmente diferentes e não dá para fazer um filme completamente perfeito, mas eu acho que nós temos uma audiência tão afetuosa já que eles são tão novos, e é uma experiência maravilhosa.
Para esse aqui [Texas Chainsaw 3D], eu fui a Comic-Con em New York, e tive uma experiência bem positiva, e as pessoas pareciam estar animadas. Isso foi ótimo, e assim como os fãs, isso também é algo que é muito apreciado, e há pessoas que talvez... Bem, nada terá comentários positivos em 100% do tempo, mas estou muito feliz de ser parte da série e eu realmente acho que os fãs, particularmente do original, vão gostar dele. 
Agora que você já fez alguns papéis intensos na sua carreira, o que foi a coisa mais difícil que você teve que fazer como atriz até agora? Ohhh, a coisa mais difícil... Eu diria que as coisas mais difíceis foram no início da minha carreira. Como eu estou conseguindo papéis maiores, é diferente de ter um papel em algo como um filme de terror. Eu estive em um filme chamado The Attic, e você sabe que eles estão pagando seus direitos e tal, e eu tive que fingir uma convulsão lama no meio de Dezembro em New Jersey, e foi somente algo pequeno. Eles não eram maus comigo ou algo assim, mas quando você faz papéis menores, você tende a ser um pouco enganada. (Risos) Você nunca é tratada como algo perto de uma princesa e você não tem tempo de se preparar, então você está lá, fingindo ter uma convulsão, deitada lá no frio sem sutiã embaixo do vestido fino, e é um tipo de coisa bizarra. Eu estava morrendo de frio e ninguém parecia ligar, mas ao mesmo tempo eu pensava "Isso é super legal porque eu estou num filme!". Eu diria que algumas das cenas mais difíceis foram nesses dias.
Mas há muitas coisas difíceis em tudo que eu faço. Há um pensamento errado de que é tudo glamuroso, e ao mesmo tempo que pode ser, é trabalho realmente duro. Você tem que suar e fazer coisas nojentas, e há sangue falso de xarope de milho em todo seu corpo, e coisas coladas em seu corpo, e coisas assim.


FILM REVIEW ONLINE

O que a atraiu para esse projeto? Além de ser parte da franquia, acho que este filme irá surpreender as pessoas por ser diferente do que elas esperam. Há uma reviravolta, Heather não é a personagem completamente clichê que você esperaria. Eu acho que há algo realmente grande nesse lado pesado e sombrio. É a personagem mais sombria que eu já fiz.
Eu amo a mistura de ação e terror, e também dos elementos de mistério. O filme realmente me pegou desprevenida. 
Como foi aparecer em uma franquia com enorme legado? Eu estava muito animada sobre este projeto e também um pouco nervosa por saber que eu estava entrando em algo que tem existido por mais de trinta anos, algo tão famoso.
Eu trabalhei muito para tentar fazer o filme tão grandioso e assustador quanto eu pude. 
Quando filmaram suas cenas com Leatherface, eles usaram uma serra elétrica de verdade? Sim, eles usaram uma serra elétrica real para muitas cenas, contanto que estivéssemos a uma distância segura dela. Havia cenas em que eu estava sendo perseguida por Dan, que é um cara forte, e ele estava carregando a serra verdadeira. Você realmente sente como se estivesse sendo perseguido, porque você está sendo. 
Qual foi seu momento mais memorável ao fazer o filme? Eu tenho muitos. Sinto com se eu tivesse me superado muito fazendo este filme, e conheci pessoas realmente incríveis. 
Existiu algum drama no set? Sempre há drama em um set. Sempre alguma coisa a acontecer. Com qualquer trabalho há diferentes personalidades, mas acho que todos trabalharam em união para fazer um grande filme aterrorizante. 
Você toparia fazer mais filmes de terror? Eu iria amar fazer mais terror. Eu quero fazer diferentes tipos de coisas. Eu realmente gosto de fazer terror e acho que é um desafio interessante e divertido para mim.

0 comentário (s):

Olá! Deixe aqui um comentário sobre a postagem acima.

Copyright © 2013 Tema por SoraTemplates e Blogger Templates, modificado por Júlia Falcão.