Críticas de O Mar de Monstros, pela equipe do ADBR


Nós da equipe do Alex Daddario Brasil tivemos o prazer de assistir ao filme Percy Jackson: O Mar de Monstros nas pré-estreias, e decidimos escrever nossas críticas, de fãs para fãs, porque, vamos combinar, críticos de cinema não tem os mesmos olhos que fãs ao ver um filme. É claro que cada um tem sua opinião, e nós amamos, então clique abaixo para saber por que nós achamos que você deve assistir ao filme:


Aviso: nossas críticas podem conter alguns spoilers.

crítica da JÚLIA
Eu preciso começar isso com uma sinopse do filme? Quando a árvore encantada que protege as fronteiras do Acampamento Meio-Sangue é envenenada, Percy Jackson se junta a Annabeth, Grover e seu recém-descoberto meio-irmão Tyson para ir atrás do Velocino de Ouro, a única coisa que pode salvar o pinheiro de Thalia e restaurar a proteção do único lugar no mundo seguro para semideuses. Mas eu aposto que você já sabia disso, então vamos passar para o que eu achei do filme.Eu saí da sala de cinema sem saber se o que eu mais queria fazer era abraçar todo mundo envolvido naquela produção, ou comprar um ingresso para a pré-estreia do dia seguinte. O Mar de Monstros foi simplesmente incrível; melhor do que eu esperava, e eu não estava esperando pouco. O filme teve ação do início ao fim e, ao contrário do primeiro, me fez rir do início ao fim. Não tem nem comparação com O Ladrão de Raios. Fico pensando como teria sido o primeiro filme se Thor Freudenthal tivesse sido contratado ao invés de Chris Columbus.Uma coisa do segundo que foi muito melhor que o primeiro: isso sim foi um filme infantil! O Mar de Monstros foi um filme mais descontraído, super engraçado, apesar de o acontecimento do final do filme ter sido muito mais importante do que qualquer coisa que aconteceu em O Ladrão de Raios. Apesar disso, toda vez que as coisas ficavam tensas demais para uma plateia infanto-juvenil, alguém soltava uma frase que fazia o cinema todo rir. Eu, particularmente, ri mais alto que o cinema inteiro quando o Luke vê uma onda gigante vindo em sua direção e diz "isso de novo não", lembrando de seu fim trágico em O Ladrão de Raios.O Percy me irritou um pouquinho no começo, naquelas cenas em que ele vai para o lago se lamentar com Poseidon, e fica achando que é um herói de sorte que aconteceu uma vez só. A maioria das pessoas ficou tipo "oh, tadinho do Percy", enquanto eu fiquei tipo "oh, para de ser dramático." Mas o desenvolvimento do relacionamento dele com o Tyson ao longo da história, aprendendo a aceitá-lo como irmão, foi uma das melhores coisas do filme.
Não sei nem por onde começar a falar sobre a Annabeth, e acho que sou meio suspeita pra isso. A atuação da Alex melhorou consideravelmente do primeiro filme para esse, e a personagem dela também. Como ela mesma disse em várias entrevistas, agora Annabeth tem uma jornada mais pessoal e emocional, devido ao seu passado com a Thalia, e também com o Luke. E falando no filho de Hermes, as cenas dele com a Annabeth são sensacionais. E as dela com o Tyson também; eu amei que eles não ignoraram que, nos livros, a Annabeth tem uma clara implicância com ciclopes, e isso é importante para a história. Apesar de terem mudado um pouco a explicação para isso, essas partes mostraram que ela tem um lado vulnerável, e tem problemas de confiança, principalmente quando se trata de um ciclope.
Preciso de um parágrafo inteiro para comentar o quanto eu amei o relacionamento de Percy e Annabeth em O Mar de Monstros. No primeiro filme eles eram dois semideuses que claramente se sentiam atraídos um pelo outro, e acabavam não se beijando no final. Nesse filme, eles são melhores amigos, que se importam muito um com o outro. A primeira aparição dela no filme (sem ser no flashback), é ela apoiando o Percy durante o jogo da torre de obstáculos, e depois ajudando-o a andar e convencendo-o a ignorar os comentários cruéis da Clarisse. Inclusive, mais para o clímax, é ela que convence o Percy a continuar lutando, dizendo "Você está preocupado com seu destino? Crie um novo.", o dá motivos para se levantar, e esse foi um dos momentos mais importantes do filme. Não vou dizer que eu não gostaria de ver eles se beijando nesse filme, porque seria mentira, mas eu gostei bastante da amizade deles do jeito que é no livro.
Eu não vou dizer qual é, mas a cena mais chocante do filme, na minha opinião, é protagonizada pela Annabeth. Bem na hora em que você pensa que tudo finalmente está bem, acontece algo que faz o cinema inteiro arquejar em uníssono. E a atuação da Alex nessa cena é o motivo pelo qual ela foi escolhida como Annabeth em 2009: ela é extraordinária. Aquela cena que está em um dos trailers, em que ela vê que a árvore da Thalia foi envenenada, é emocionante. Fiquei muito feliz em ver o quanto a atuação da Alex está evoluindo.
É óbvio que algumas coisas não me agradaram no filme, tanto elementos técnicos quanto elementos da própria história. O 3D, como eu já esperava, não é tão bom assim; é bem dispensável, na verdade. Já os efeitos especiais são maravilhosos, e a minha cena favorita nesse assunto é a do touro de Colchis, que é tão cheio de detalhes que eu ficava de olhos arregalados no cinema assistindo. E meu queixo caiu durante o flashback que abre o filme, vendo o quanto a Alisha Newton ficou idêntica à Alex, interpretando a Annabeth pequena. As lentes azuis, a trança loira bagunçada, até as roupas idênticas, parece que a Alex usou uma máquina do tempo para gravar aqueles flashbacks. Mesma coisa vale para Katelyn Mager e Paloma Kwiatkowski, as duas Thalias, tão parecidas que chega a ser assustador. A cena do sacrifício dela e a transformação em pinheiro me fizeram chorar logo nos primeiros minutos do filme. Para finalizar, nota dez para a trilha sonora. Eu já estava ouvindo no repeat desde que foi lançada; as faixas Colchis Bull, Belly of The Beast e Kronos me faziam tremer na cadeira, enquanto Thalia's Story, Thank You Brother e Annabeth and The Fleece não tiveram dificuldade em me arrancar algumas lágrimas.
A coisa que mais me irritou no filme inteiro foram algumas mudanças (que eu achei bem desnecessárias) na história, relacionadas a mitologia, como a história de Cronos contada pelo Oráculo, ou o fato de a "lâmina maldita" da profecia ter sido dada como Contracorrente, quando quem leu o livro sabe muito bem que não é. E quem leu o livro sabe muito bem que o "herói" da profecia não é o Percy. Honestamente? A que mais me irritou foi a mudança na história da Annabeth com ciclopes, só porque seria mais fácil dizer que ciclopes mataram a Thalia, quando, na história dos livros, foram monstros do Mundo Inferior. Eu estava louca para ver um flashback da real cena que mostra o motivo do trauma da Annabeth com ciclopes. Sem contar com a facilidade que o Percy teve para derrotar Cronos. No livro O Último Olimpiano, acontece uma guerra de dias em Nova York contra o titã, que envolve praticamente todos os deuses gregos e até alguns que eu nunca ouvi falar na vida, e vários personagens morrem. No filme, o Percy tem um momento de realização sobre sua espada e faz Cronos voltar aos pedaços com um golpe. Isso sem falar na tal da atriz que foi contratada pra interpretar a Silena, fato que criou a ideia de que ela apareceria em alguma cena relevante (coisa que não acontece no livro); além de só aparecer de costas e ter uma fala que eu nem lembro, a Silena é incluida como um dos semideuses que se juntou a Cronos. No segundo livro. Teria sido melhor deixar a garota de fora da história do que contratar uma modelo para aparecer de costas subindo as escadas do iate.
Eu preciso falar sobre os grandes atores que apareceram em papéis pequenos no filme: em primeiro lugar, Nathan Fillion, que eu já adorava, e fez um trabalho divino (desculpa pelo trocadinho) como Hermes. Se você é fã de Firefly ou Castle, fique de olho para não perder as referências. E a produção não poderia ter escolhido um ator melhor que o Stanley Tucci para interpretar Dioniso, o deus do vinho que foi punido por Zeus e mandado para ser diretor do Acampamento. Na minha opinião ele tem a fala mais engraçada do filme, quando seu vinho se transforma em água e ele solta algo como: "Os cristãos tem um cara que faz isso ao contrário, isso sim é um deus!". Por fim, substituição de Pierce Brosnan por Anthony Head no papel do centauro Quíron me agradou bastante. Eu achei o Anthony tão fofo, fez o Quíron parecer mais acolhedor, não sei explicar.
Acho que esqueci de comentar o quanto a Leven Rambin ficou incrível no papel de Clarisse. Quando ela foi escolhida, eu fiquei meio chocada, assim como 98% do fandom, mas ela deu conta do trabalho muito bem. Eu gostei que eles se mantiveram fiéis à história do livro em relação a ela, não ignorando que a missão era dela em primeiro lugar, e as cenas do navio CSS Birmingham e os confederados mortos foram incríveis. A outra adição ao elenco principal, Douglas Smith, foi a coisa mais adorável do filme. Ele interpretou Tyson de um jeito que eu não acredito que nenhum outro ator teria feito tão bem. Toda vez que ele sorria, o cinema inteiro fazia um "awwwwnnn" coletivo, e o ator me fez gostar muito mais do Tyson do que quando eu li os livros. Acho que eu nunca vi um personagem no cinema que me fez querer saltar para dentro da história e abraçá-lo.
Em relação ao livro: o que o Thor Freudenthal fez foi pegar elementos da história do livro, e colocá-los no filme mesmo que fossem em partes diferentes. Por exemplo, o táxi das irmãs cinzentas, que eles usam no livro para ir até o Acampamento, enquanto no filme, usam para ir até a Flórida, mas acabam sendo largados em Washington. Mary Birdsong, Yvette Nicole Brown (sim, a Helen de Drake & Josh) e Missi Pyle ficaram hilárias como as três irmãs cinzentas, discutindo para ver quem usaria o único olho do trio sinistro. Elas passaram a mesma sensação de agitação que eu senti quando li o livro. As cenas de Polifemo, o enorme ciclope que possui o tão desejado Velocino de Ouro, são impagáveis. Os monstros foram super bem feitos, como os manticores, e principalmente Caríbdis, que ficou tão incrível que eu nem cheguei a sentir falta da Squila. Eu já comentei o quanto amei o touro de Colchis? Numa escala de 1 a 10, dou 11 para os monstros.
No entanto, acho que é importante saber que O Mar de Monstros é um filme infantil. Percy Jackson & Os Olimpianos é uma série voltada ao público infanto-juvenil, e é assim que o filme devia ser mesmo, então Thor Freudenthal fez um trabalho ótimo. Se bem que, para ser bem sincera, eu, com 16 anos, me diverti no cinema mais do que muitas crianças pequenas, rindo feito uma retardada e chorando feito uma retardada sentimental. No dia seguinte, minha prima de 10 anos perguntou se eu quero levar ela para ver o filme, e eu aceitei feliz da vida. Não é um filme que vai fazer um adulto sair do cinema pensando "wow, isso mudou minha vida", e sim um filme que nenhum adulto vai se arrepender de levar os filhos pequenos para assistir. O Mar de Monstros é um filme extremamente divertido, recheado de ação do início ao fim, intercalado por alguns momentos que podem te fazer derramar algumas lágrimas, e que vale muito à pena assistir. Faça-me um favor, e não releia o livro antes de ver o filme. Entre no cinema com a mente aberta para o que vier, ao invés de ficar julgando tudo, e tente se divertir, porque esse é o objetivo do filme.

 crítica da BÁRBARA
Antes da minha crítica eu quero que vocês entendam minha relação com os livros: eu li Percy Jackson porque sou fascinada por mitologia, não ao contrário como a maioria dos fãs (não que me faça melhor, é só um fato). Os livros, para mim, são divertidos só que não são os melhores livros que li na vida, na verdade eles estão bem longe disso. Eles são ótimos para ensinar mitologia para crianças, mas se você já tem certo conhecimento ele acaba ficando… monótono. A maioria das dificuldades que Percy enfrenta durante os livros são contos rescritos numa versão moderna, isso não é ruim, só que acaba perdendo a graça com o tempo (para mim pelo menos). Acho que o fato de eu não ter um grande apreço pelo autor também ajuda nesse "não gostar", desculpa, mas ironia e "sassy" são bem diferentes de babaquice, o que vamos concordar de vez em quando ele é um verdadeiro babaca ao responder fãs no twitter. Acho que pelo texto perceberam que as mudanças do livro para o filme não me fazem triste, elas são até bem vindas.
- Adaptação: Ele é bem melhor adaptado do que o primeiro filme, ainda sim não é uma cópia fiel do livro. Várias cenas do livro não apareceram no filme, uma delas é a cena da Circe, para eles não fazia sentido desperdiçar alguns minutos por algo que não ia acrescentar em nada, o que vamos combinar a cena é inútil, ver o Percy de porquinho da índia seria legal só que não acrescenta nada ao personagem ou a estória (é um importante para a Reyna em Heróis do Olimpo, só que como a fox não tem os direitos autorias ou o interesse de fazer essa saga ele não é necessário para a estória). Então eu diria que a adaptação foi regular (não que me incomode).
- Annabeth está loira: Em nenhum momento eles explicam o porque ela está loira nesse filme, o que é melhor do que se eles fossem desperdiçar tempo com alguma frase como "Eu quis mudar o cabelo". O diretor achou que seria mais fiel, eles deram a vocês o que queriam e acho que isso é o importante. E não se preocupem aqueles que acharam que estava mal pintado ou algo do tipo, fica bem melhor na tela grande do que nas fotos de bastidores.
- Ação, ação e mais ação: Depois que eles começam a missão as cenas de ação começam uma atrás da outra. Uma hora o Grover sendo sequestrado, eles indo atrás de Hermes, logo em seguida no iate do Luke, Caríbdis e etc. O filme não te deixar relaxar que logo apresenta outra luta ou conflito, o que é bom e ruim, faz com que você fique grudado na sua poltrona só que deixa num ritmo tão acelerado que você acaba ficando um pouco confuso.
- Humor para crianças: Eu tenho quase 20 e fiquei com um sorriso bobo o filme inteiro, ele tem esse humor meio infantil que ao mesmo tempo agrada quem não é criança (ou pelo menos a mim). Seja as sacadas do Grover, ironia da Clarisse, o jeito bobo do Tyson e até mesmo o preconceito da Annabeth com ciclopes são usados para criar piadas, algumas em momentos inoportunos, mas no geral dá um clima leve para filme que me agradou.
- Atores e personagens: Não vou dizer que ninguém ali merecia um Oscar, no geral a atuação de todos foi boa, sem contar que vocês conseguem ver os personagens dos livros neles. Annabeth não mudou só o cabelo como a atitude também, Alex sempre diz nas entrevistas que podemos ver um lado vulnerável da Annabeth e é realmente o que acontece. Douglas é um das coisas mais bobas e doces do filme, não tem como não se apaixonar por ele cada vez que ele faz algo engraçado ou chama o Precy de irmão. Leven consegui ser a Clarisse mesmo tendo pessoas reclamando que ela é bonita demais (por favor, né). Logan e Jake continuam no mesmo bom desempenho que no primeiro filme. Finalmente Paloma, ficou menos de 1 minuto em cena e já conquistou o amor da maioria.
- Cronos ressurge... ou quase: Minha teoria sobre ele ser derrotado tão facilmente é que ele não tinha 100% das forças, Thalia demorou uns 3 dias para voltar a vida, por que com ele seria diferente? O fato é que ele parcialmente vive e é derrotado fazendo a maioria que não gostam de mudanças no livro chorarem.
- Pontos negativos: A mitologia é mudado nesse filme que me fez quase chorar, os três deuses grandes matando Cronos e Percy dizendo que iria derrotar ele como seu pai fez... não. Senti muita falta da parte das sereias, mas se for para olhar bem ela não realmente ajudava na estória em si mais nos pontos fracos dos personagens, o que se você for ver já foi mostrado mesmo que não falado. Percy no começo do filme prefere perder do que deixar o menino se machucar e Annabeth mostrou seu lado orgulhoso no primeiro filme inteiro. "Minha mãe é a deusa da sabedoria e das estratégias de batalha. Você sabe o que isso significa? Eu sempre venço.", isso é claramente ela deixando o orgulho falar. Mesmo assim queria a cena.
- Percabeth... que diabos de nome é esse: relacionamento deles nesse filme se resume em serem amigos, o que é um pouco chato já que o final do primeiro indicou ao contrário, mas isso não significa que eles não tem vários momentos juntos. Muitos abraços, incontáveis olhares e Percy desesperado com a quase morte da Annabeth vai agradar aos shippers.
- Citação: "Você está preocupado com seu destino? Crie um novo."
O filme foi ótimo se você souber aproveitar ele, não vá no cinema com o livro debaixo do braço dizendo o que está ou não igual, não vá achando que vai odiar porque se esse for o seu pensamento não a nenhum jeito de gostar mesmo. Vá com a cabeça tranquila querendo aproveitar um filme família que vai te fazer rir e ter um bom tempo.
E últimas dicas: crie seus próprios pensamentos, não é porque eu gostei que você deve gostar, mas não é porque algum vlogueiro odiou que você deve odiar, crie seus próprios pensamentos sobre o filme e tente opinar sobre eles com inteligência, se você falar que odiou o filme porque a água não é da cor do livro é claro que ninguém vai respeitar o que você diz, mas se criar um fundamento bom sobre o porque não gostou ou gostou o povo vai respeitar. O que me leva a segunda dica, respeito é uma coisa mútua, não unilateral. Saiba que todo mundo aqui tem o direito de opinar sobre algo, desde que o mesmo saiba ouvir o que você fala.
 crítica da ANNA
Percy Jackson e o Mar de Monstros? Superou minhas expectativas, de verdade. Thor Freudenthal foi a melhor coisa que aconteceu a série.
No quesito adaptação vence de lavada de seu antecessor, O Ladrão de Raios, que deixou muito a desejar, decepcionando os fãs pela falta de semelhança com o livro de Rick Riordan.
Quando os créditos iniciais começaram, e pude ouvir o voice over (a parte narrada) de Percy, senti lágrimas escorrendo por meus olhos e um sorriso bobo apareceu em meus lábios... Eu não conseguia acreditar que finalmente era chegada a hora. Ainda não consigo acreditar que foi real, mas vamos ignorar esse fato.
Logo no início, temos um flashback em que temos contato pela primeira vez com a história da barreira mágica que protege o Acampamento Meio-Sangue e nos familiarizamos com Thalia, Filha de Zeus. Grover, Annabeth, Thalia e Luke em sua versão fetus conseguem segurar a onda de uma cena que contém ação e certo drama e atuam muitíssimo bem, diga-se de passagem, e achei impressionante a semelhança dos pequenos com o elenco jovem.
Seja quem for o produtor de elenco, acertou em cheio na escolha destes e dos outros atores como Nathan Filion e Stanley Tucci, Leven Rambin e Douglas Smith que fazem de O Mar de Monstros ainda mais especial e despojado e engraçado.
Os fatos apresentados no filme são os pontos mais importantes do livro, claro, não é 100% perfeito em relação a adaptação, porém Thor fez um trabalho espetacular. Até porque, haviam muitas lacunas de vital importância para a narrativa, que infelizmente foram omitidas em O Ladrão de Raios, fazendo com que certo tempo de O Mar de Monstros fosse desnecessariamente "gasto" para que a história fizesse sentido, de fato.
Tem-se que manter sempre em mente que é impossível transcrever um livro exatamente como ele está escrito para a forma visual. É questão de tempo e dinheiro.
"Ah, mas outras sagas são fiéis! Por que Percy Jackson não pode ser também?"
Se você já leu Harry Potter e a Pedra Filosofal, também ficou desapontado com a falta de detalhes que no livro haviam e no filme foram absolutamente esquecidos. Lembrando que o diretor de HP1 é o mesmo de LdR, mas não vou me aprofundar nisso.
Felizmente temos vários momentos hilários neste filme, e na maioria deles Tyson está envolvido. Logo no início das gravações do filme, vi na internet uma pessoa reclamando que o ator escolhido não tinha nada a ver com Tyson e que ele tinha dois olhos, portanto não poderia ser um ciclope (dá pra acreditar?!) e fico feliz em dizer que Douglas Smith não poderia ser escolha melhor para o papel, trazendo a inocência e doçura necessárias para fazer de Tyson um personagem cativante desde o primeiro instante em que ele nos é apresentado.
Leven Rambin vem com força total e atua muitíssimo bem. Desde o começo ouvi muitas pessoas reclamando por ela ser muito bonita e princesinha para ser uma guerreira nata e poderosa, porém ela tem uma essência que faz você aceite mais do que bem sua personagem Clarisse.
As atuações de Logan Lerman e Jake Abel continuam fazendo com que você sinta que aqueles são mesmo o personagem que literalmente saiu dos livros e até faz com que você acredite na veracidade e possibilidade de um mundo cheio de heróis e criaturas mitológicas.
Grover, vivido por Brandon T. Jackson na telona, na verdade me surpreendeu um pouco. Não que houve mudança em sua atuação, ele continua sendo um ator ótimo e engraçado... porém o Grover mesmo, parece estar mais amável...? Não consigo explicar exatamente, mas gosto mais do Grover aqui do que em O Ladrão de Raios.Enquanto à atuação de Alex Daddario... eu não poderia estar mais orgulhosa. Eu poderia ficar dias e mais dias elogiando o quão sua atuação melhorou desde 2010, etc e etc. Vou me ater ao breve comentário de que me fez amar Annabeth ainda mais do que eu já amava. (E isso é bastante, pois Annabeth é minha personagem preferida. Não só da série, mas em um geral.)
O filme trás várias palavras de sabedoria e incentivo a Percy, mas eu pude sentir como se fosse exatamente o que eu precisava ouvir. Chorei algumas vezes durante as quase 2 horas que se deram na sala de cinema.
Os efeitos especiais e as tomadas de ação, estão muito melhores. Fazem você perder o fôlego a cada segundo... mas o 3D é dispensável.
Sei que me ative mais aos atores e atrizes principais do que a história em fato, mas se for assistir ao filme, coisa que eu recomendo fortemente, não vá esperando uma cópia visual do livro, como eu já disse anteriormente. Vá de mente aberta, relaxe e aprecie um incrível filme engraçado, dramático e de ação constante.
Tenho praticamente 19 anos, e não tenho vergonha em admitir que sorri e chorei inúmeras vezes. Mal posso esperar para voltar aos cinemas no lançamento oficial!

3 comentários:

  1. Meus Deuses, lendo a critica de vocês me fazem ter mais vontade ainda de ver o filme. Parabéns e eu estou com muita inveja de vocês por já terem assistido o filme.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Eu assisti o filme achei Ótimo , a Alex fez teste para o filme , ela e boa atriz mais não foi justo ela ganhar o papel no filme

    ResponderExcluir

Olá! Deixe aqui um comentário sobre a postagem acima.

Copyright © 2013 Tema por SoraTemplates e Blogger Templates, modificado por Júlia Falcão.